Ventos do Norte resume a contribuição dos saxofonistas oriundos da região Nordeste na consolidação de um estilo brasileiro de saxofone, através da recriação da música composta por eles para o instrumento ao longo do século XX.

O título fala em Norte e não em Nordeste, como seria geograficamente mais preciso, pois era assim que os antigos se referiam a sua própria imigração: quando vim do Norte. Por outro lado, a música desses craques chegou ao Rio de Janeiro impulsionada por um vento forte que veio da América do Norte e que ajudou a popularizar o saxofone: o jazz.

Nomes como Luiz Americano, Ratinho, Severino Araújo, K-Ximbinho, Netinho, Moacir Santos, Zumba e Duda.

Ao realizar Ventos do Norte, Leo Gandelman dá um segundo passo no mapeamento do sax brasileiro, iniciado em 2006 com o premiado CD “Radamés e o Sax”. Mais uma vez, Leo colocou o refinamento de sua sonoridade e interpretação à serviço de homenagear mestres do saxofone brasileiro, mantendo sua marca de solista e realizando uma ponte com o passado sem nenhuma sombra de saudosismo.

Repertório

  • 1. Saxofone porque choras (Ratinho - Severino Rangel)
  • 2. Amphibious (Moacir Santos)
  • 3. Vamos para Cachangá (Ratinho - Severino Rangel)
  • 4. Chorinho da Tula (Netinho)
  • 5. Ternura (K-Chimbinho)
  • 6. Dancing Avenida (Luiz Americano)
  • 7. Espinha de Bacalhau (Severino Araújo)
  • 8. Perplexo (K-Chimbinho)
  • 9. Eu quero é sossego (K-Ximbinho)
  • 10. Sorriso de cristal (Luiz Americano)
  • 11. Cara lisa (Duda)
  • 12. Triste de quem (Moacyr Santos)
  • 13. Bicho Danado (Zumba)

Formação para show

  • Leo Gandelman (Saxes)
  • Antonio Neves (percuteria)
  • Henrique Cazes (Cavaquinho)
  • Guto Wirtti (Baixo)
  • Glauber Seixas (Violão de Sete Cordas)

North Winds - CD release

O primeiro a chegar ao Rio de Janeiro, em 1921, foi Luiz Americano Rego (Aracajú SE, 1900-1960) e pouco tempo depois já estava gravando na Odeon. Em 1928 fez temporada na Argentina tocando no conjunto do baterista americano Gordon Stretton, um pioneiro do jazz. No ano seguinte, iniciou uma extensa discografia de solista, dividida entre o saxofone e o clarinete. O choro sambado “Dancing Avenida” foi lançado em 1935 e andava meio esquecido enquanto “Sorriso de cristal”, gravado mais para o fim da vida de Americano, tornou-se uma de suas obras mais lembradas.

Em julho de 1921, Pixinguinha e os "Oito Batutas" foram tocar em Recife. Na abertura dos espetáculos atuava a prata da casa, tendo como destaques Jararaca no violão e voz e Ratinho (Severino Rangel de Carvalho (Itabaiana PB, 1896-1972) no sax soprano.

Com o nome de Turunas Pernambucanos, o grupo veio para o Rio no ano seguinte e aqui atuou até 1925. Ratinho formou então com Jararaca a famosa dupla caipira, que intercalava números de humor com solos instrumentais. O clássico “Saxofone, por que choras?” e o maxixe “Vamos pra Caxangá” ilustram bem a verve saxofonística desse pioneiro na divulgação do sax soprano em terras brasileiras.

Enquanto Ratinho e Americano brilhavam na então capital da república, em uma cidade do agreste de Pernambuco, o meino Severino não desgrudava do pai, Cazuzinha, o Mestre da banda. Severino Araújo de Oliveira (Limoeiro, PE, 1917-2012) começou cedo a tocar, compor e escrever arranjos. Com vinte anos de idade assumiu a direção da Orquestra Tabajara, na rádio de mesmo nome, em João Pessoa na Paraíba. Por essa época, na intenção de responder a um choro complicado escrito por um colega de orquestra, Severino elaborou a obra prima que é “Espinha de bacalhau”. Gravado em 1945, no primeiro disco da Orquestra Tabajara, “Espinha de bacalhau” colocou seu autor direto no primeiro time.

O colega de Tabajara a que me referi no parágrafo anterior era ninguém menos que K-Ximbinho (Sebastião Barros, Taipú RN 1917-1980). Interlocutor constante de Severino em assuntos de arranjo e inovações em geral, K-Ximbinho foi um professor pioneiro de harmonia aplicada a música popular. Realizou uma preciosa obra de fusão entre elementos do jazz e do choro, representada aqui pelo raro “Perplexo”, gravado pelo autor em 1953 em seu primeiro disco de solista e pelos consagrados “Eu quero é sossego” e “Ternura”.

Netinho (Pedro Silveira Neto, Simão Dias SE, 1921-1994), como os outros heróis de nossa história, começou ainda criança tocando em bandas de música. Iniciou a carreira profissional em Salvador e em 1956 veio para o Rio, onde atuou em muitas orquestras e na famosa Bandinha de Altamiro Carrilho. Posso testemunhar que a liderança de Netinho no naipe de sax era algo totalmente natural, fluente. Ele tocava regendo o naipe e todos iam juntos. Netinho era muito orgulhoso de sua boa técnica e seu “Chorinho de Tula” é um desafio para qualquer executante.

Moacir Santos (São José do Belmonte PE, 1926-2006) foi um dos mais originais autores da música brasileira no século XX. Suas composições transcendem questões de estilo, constituindo universo próprio. São o caso do samba canção “Triste de quem”, composto em parceria com Vinícius de Moraes na década de 1950 e de “Amphibious”, aqui apresentado como samba, com direito a generosa batucada.

Separados no tempo por quase meio século mas unidos pelo instrumento e a paixão pelo frevo, os maestros Zumba (José Gonçalves Júnior, Timbaúba PE, 1889-1974) e Duda (José Ursicino da Silva, Goiana PE, 1935) fizeram carreira no Recife mas divulgaram suas composições em terras cariocas. No caso de Zumba, frevos como “Bicho danado” foram gravados por Pixinguinha com sua orquestra “Diabos do Céu” na década de 1930, em registros altamente virtuosísticos. Já o Maestro Duda esteve muitas vezes nos palcos cariocas, sempre brilhando com suas composições, como o delicioso frevo “Cara lisa”.

Ao realizar Ventos do Norte, Leo Gandelman dá um segundo passo no mapeamento do sax brasileiro, iniciado em 2006 com o premiado CD “Radamés e o Sax”. Mais uma vez, Leo colocou o refinamento de sua sonoridade e interpretação à serviço de homenagear mestres do saxofone brasileiro, mantendo sua marca de solista e realizando uma ponte com o passado sem nenhuma sombra de saudosismo.

Henrique Cazes - Abril/2013